Micose de unha (onicomicose): tipos e tratamento

Micose de unha (onicomicose): tipos e tratamento

Tempo de leitura estimado: 14 minutos
Print Friendly, PDF & Email

A micose de unha, ou onicomicose, além de afetar a estética, se não tratada, pode deformar a unha de forma irreversível e ser porta de entrada para bactérias.

O que é onicomicose

Onicomicose, tinea unguium ou simplesmente micose de unha é uma infecção por fungos nas unhas das mãos ou dos pés, que pode envolver qualquer componente da unidade da unha, incluindo a matriz, o leito, ou a lâmina ungueal.

A onicomicose pode causar dor, desconforto e deformação da unha e pode produzir limitações físicas e ocupacionais graves.

Apesar de não ser uma doença grave, em pessoas com diabetes mellitus, problemas circulatórios, como varizes, ou com algum tipo imunossupressão, a micose de unha pode ser um problema importante por poder servir como porta de entrada para infecções bacterianas nos dedos das unhas acometidas ou até erisipela nas membros inferiores.

Por todos os sintomas e também por questões estéticas que afetam a autoestima, a micose de unha afeta a qualidade de vida.

Anatomia da unha

A unha é uma unidade complexa, constituída por cinco grandes estruturas: a matriz da unha, a lâmina ungueal (ou corpo da unha), o leito ungueal, a cutícula (ou eponíquio), e as dobras ou pregas ungueais (paroníquia).

A matriz ungueal (onde a unha começa) é onde as células da unha se multiplicam e queratinizam (endurecem e formam o material da unha) antes de serem incorporadas na unha. A maior parte da matriz não é visível.

A matriz começa sob a pele a 5 milímetros abaixo da dobra ungueal e abrange a área chamada lúnula (a superfície em forma de meia lua na parte inferior branco da unha).

A lâmina ungueal (ou corpo da unha) é a própria unha. O leito ungueal é o tecido macio embaixo da unha, a ancoragem da lâmina ungueal. A lâmina ungueal protege o leito ungueal.

A cutícula (ou eponíquio) é uma dobra de pele modificada. A cutícula protege a matriz. É uma porta contra a infecção. (Não é uma boa ideia retirar a cutícula…)

As dobras ou pregas ungueais (paroníquia) são as regiões de encontro da pele com a unha. As dobras ungueais são definidas como dobra ungueal proximal e dobras ungueais laterais. Micose de unha (onicomicose): tipos e tratamento

O que são fungos?

Os fungos são organismos microscópicos que não precisam de luz solar para sobreviver.

Vivem em ambientes quentes e úmidos, incluindo piscinas e chuveiros. Podem invadir a pele através de pequenos cortes visíveis ou invisíveis ou através de uma pequena separação entre a unha e leito ungueal, na borda livre.

Causam problemas apenas se as unhas estão continuamente expostas ao calor e umidade – condições perfeitas para o crescimento e proliferação de fungos – ou se não há defesa para sua proliferação.

Uma vez que uma micose de unha comece, esta pode persistir indefinidamente se não for tratada.

Consulte um médico ao primeiro sinal micose de unha, o que é muitas vezes uma pequena mancha branca ou amarela sob a ponta da unha.

Fungos Infectantes

A aparência da unha afetada não necessariamente se correlaciona com o organismo causador, assim, a diferenciação deve ser baseada na evidência microbiológica, ou seja: no resultado do exame de cultura de fungos.

As micoses de unhas são geralmente causadas por um fungo que pertence a um grupo de fungos chamados de dermatófitos. Mas, leveduras e bolores podem também ser responsáveis por micose das unhas.

Dermatófitos

Trichophyton rubrum ou Trichophyton mentagrophytes causam 90 % dos casos, com T. rubrum sendo responsável por cerca de 70 % do total.

Outros organismos neste grupo incluem Epidermophyton spp. e Microsporum spp.

Leveduras

Estes causam aproximadamente 8% do total de infecções, principalmente Candida albicans e Malassezia furfur.

Fungos não dermatófitos

Estes causam cerca de 1-10 % do total de infecções, por exemplo Scopulariopsis brevicaulis.

Sinais mais comuns de micose de unha:

  • Espessamento da pele abaixo da unha, o que é chamado de hiperceratose subungueal
  • A unha pode estar frágil, quebradiça ou irregular
  • A unha pode ficar deformada, isto é, distrófica
  • A unha pode se tornar quebradiça e pode desintegrar-se, especialmente após trauma.
  • A unha pode parecer opaca, sem brilho
  • Pode ter cor escura
  • Na micose de unha superficial, a alteração apresenta-se como uma placa de giz branco na lâmina ungueal, quase exclusivamente nas unhas dos pés.
  • Unhas infectadas também podem descolar-se do leito ungueal e haver a perda da unha.
  • A pessoa pode sentir dor em seus dedos ou perceber um odor desagradável.Micose (fungos) na unha ou onicomicose

Fatores de risco para micose de unha

Os fatores de risco podem de difícil controle (pessoais, dependentes do ambiente e independentes do comportamento) ou de controle possível (não pessoais e dependentes do comportamento).

Fatores de difícil controle

  • Idade – os adultos são 30 vezes mais propensos do que as crianças (a micose de unha afeta 2,6% das pessoas menores de 18 anos e quase 90% das pessoas com mais de 70 anos).
  • Imunossupressão – doença ou medicamentos que suprimem a resposta imune aumentam a probabilidade de ocorrer micose de unha.
  • Diabetes mellitus – pessoas com diabetes mellitus têm maior risco ter micose de unha.
  • Ter outra micose de pele – infecção fúngica cutânea co-existe com micose de unha em cerca de 30 % dos casos.
  • Trauma prévio da unha.
  • Clima quente e úmido – morar ou trabalhar em local quente e úmido favorece o desenvolvimento da micose.

Fatores de controle possível

  • Uso de calçado fechado.
  • Umidade local frequente – contato com água diversas vezes por dia
  • Andar descalço em locais públicos com água empoçada – como em piscinas, banho em academia.
  • Contato com material contaminado – como em manicure/pedicure.

As unhas dos pés são mais afetadas, pois costumam ficar confinadas em um ambiente escuro, quente e úmido dentro dos seus sapatos – onde os fungos podem prosperar.

Muitas vezes não adianta somente tratar a micose, mas deve-se mudar esse ambiente que facilita o desenvolvimento dos fungos.

A circulação sanguínea diminuída para os dedos dos pés, em comparação com os dedos das mãos faz com que seja mais difícil para o sistema imunológico do corpo detectar e eliminar a infecção.

Muitas pessoas têm onicomicose e micose de pele ao mesmo tempo.

Tipos de onicomicose

As unhas dos pés são afetadas em cerca de 80 % dos casos de micose de unha.

A onicomicose tem seis tipos principais:

  1. Onicomicose subungueal lateral distal
  2. Onicomicose superficial branca
  3. Onicomicose subungueal proximal
  4. Onicomicose Endonyx
  5. Onicomicose por Candida
  6. Onicomicose distrófica total

Os pacientes podem ter uma combinação destes tipos. A apresentação varia de acordo com o tipo.

1. Onicomicose subungueal lateral distal

Onicomicose subungueal lateral distal constitui a grande maioria dos casos de micose de unha.

Micose (fungos) na unha ou onicomicose

O fungo se espalha a partir da pele plantar, na borda livre, e invade o leito da unha. A inflamação que ocorre nestas áreas faz com que as unhas mostrem sinais físicos típicos na extremidade distal.

Quase sempre é causada por dermatófitos e pode afetar uma unha saudável ou um já doente, por exemplo, com psoríase.

Afeta a pele do leito ungueal, muitas vezes nas bordas laterais inicialmente, e evolui com um espalhamento proximal (da periferia para o centro) ao longo do leito ungueal, causando descoloração de aspecto “cremoso”, hiperceratose (espessamento) subungueal e onicólise (descolamento da unha).

A lâmina da unha não é afetada inicialmente, mas pode tornar-se com o tempo.

Pode ser confinada a um lado da unha ou espalhar lateralmente para envolver todo o leito da unha.

A progressão é implacável até que a infecção atinja a dobra proximal. A progressão pode ocorrer dentro de algumas semanas ou mais lentamente ao longo de meses ou anos com a unha tornando-se opaca, espessa e rachada, friável (frágil) e descolada do leito ungueal.

A lâmina ungueal se torna quebradiça e pode desintegrar-se, especialmente após trauma.

A pele ao redor é quase sempre afetada por micose.

Cerca de 80 % dos casos ocorrem nos pés, especialmente nos primeiros dedos (os “dedões”), muitas vezes afetando tanto as unhas dos pés e das mãos. As unhas das mãos com onicomicose subungueal lateral distal têm uma aparência semelhante, embora o espessamento da unha seja menos comum; infecção da unha do pé geralmente precede.

2. Onicomicose superficial branca

A onicomicose superficial branca é menos comum do que onicomicose subungueal lateral distal. Causada por invasão direta da superfície da lâmina da unha.

É geralmente devido à infecção pelo dermatófito T. mentagrophytes.

Apresenta-se como placa de giz branco na lâmina ungueal proximal, quase exclusivamente nas unhas dos pés.

A superfície da placa da unha é afetada, em vez de o leito da unha. A lâmina ungueal pode tornar-se erosada e até mesmo perdida.

A descoloração é branca ao invés de “cremosa”.

Existe uma superfície escamosa na lâmina ungueal a onicólise (descolamento) geralmente não acontece.

Micose de pele nos pés co-existente é menos comum do que em onicomicose subungueal lateral distal.

Micose de unha (onicomicose): tipos e tratamento

3. Onicomicose subungueal proximal

Este tipo de micose de unha é incomum.

Os fungos penetram na matriz da unha através da prega ungueal proximal e colonizam a parte profunda da lâmina ungueal proximal, fazendo uma área de leuconíquia (mancha branca na unha) na lâmina da unha proximal que se move distalmente (do centro para a periferia) com crescimento da unha. Micose de unha (onicomicose): tipos e tratamento

4. Onicomicose Endonyx

Onicomicose endonyx é uma variante da onicomicose subungueal lateral distal, em que o fungo infecta a lâmina através da pele.

Há descoloração branco-leitosa da lâmina ungueal e não há evidência de hiperceratose subungueal ou onicólise

5. Onicomicose por Candida

A invasão por Candida não é comum, ela somente consegue penetrar se a defesa local está baixa, isso pode ocorrer em diabéticos ou em pessoas que têm contato frequente com água e produtos de limpeza.

Na infecção crônica, a Candida infecta a lâmina ungueal e, eventualmente, as dobras da unha proximal e lateral.

A micose de unha por Candida ocorre em três tipos diferentes: paroníquia por Candida (“unheiro”), abscesso subungueal e distrofia total da unha.

Paroníquia por Candida (“unheiro”)

Paroníquia é uma inflamação no tecido ao redor da unha.

Aparece inicialmente como edema, eritema e dor na dobra ungueal, de onde pode sair pus, às vezes.

Além disso, a lâmina ungueal fica distrófica com manchas opacas ou descoloração (branco, amarelo, verde ou preto), com sulcos transversais. Normalmente, a pressão sobre a unha provoca dor.

A maioria dos casos é nas unhas das mãos – geralmente o dedo do meio.

Causa paroníquia crônica com distrofia ungueal secundária.

Geralmente afeta as unhas das mãos sem o envolvimento das unhas dos pés naquelas pessoas que constantemente permanecem com as mãos molhadas ou apresentam as mãos irritadas por alérgenos.

Descolamento cuticular e sinais de infecção e inflamação na matriz da unha podem ser observados.

Pode ser complicação de candidíase mucocutânea crônica ou ocorrer como uma infecção secundária devido a outras causas de doenças de unhas, como por exemplo, a psoríase.

Micose de unha (onicomicose): tipos e tratamento

Abscesso subungueal

O abscesso subungueal aparece associado à micose subungueal lateral distal que pode levar a perda da unha.

Distrofia total da unha

A distrofia (destruição) afeta todas ou uma grande proporção das unhas, associada com candidíase mucocutânea crônica.

Toda a unha pode engrossar e ficar deformada.

Micose (fungos) na unha ou onicomicose

6. Onicomicose distrófica total

Representa a fase terminal da progressão de uma longa e persistente, grave doença das unhas de todos os padrões clínicos acima.

A destruição completa da lâmina ungueal é observada.

Embora pelo menos 50% dos casos de destruição da unha sejam devidos a uma infecção fúngica, não é possível identificar a causa da doença da unha clinicamente.

A confirmação microbiológica do diagnóstico é necessária antes de iniciar a terapia anti-fúngica, já que esta é relativamente tóxica e deve ser administrada durante longos períodos.

Micose (fungos) na unha ou onicomicose

Diagnóstico diferencial

Apenas cerca de 50 % das unhas descoloradas ou distróficas tem uma infecção por fungos com dermatófitos confirmados na cultura. Outras causas incluem:

  • Onicogrifose (espessamento e distorção da unha, geralmente do “dedão do pé”, provavelmente devido a trauma anterior no leito ungueal).
  • Trauma (sapatos apertados, roer unhas).
  • Cuidados precários com os pés.
  • Eczema (dermatite de contato alérgica ou por irritante).
  • Líquen plano.
  • Melanoma subungueal (para ler sobre melanoma clique em MELANOMA MALIGNO: Sinais, Riscos e Prevenção).
  • Psoríase ungueal (para ler sobre psoríase clique em PSORÍASE: Sintomas, Tipos e Tratamento).
  • Paroníquia bacteriana, por exemplo, infecção por pseudomonas.
  • Doença sistêmica, por exemplo, doenças da tireóide, diabetes mellitus (para ler sobre diabetes mellitus clique aqui), doença vascular periférica.
  • Doenças sistêmicas raras, por exemplo, ceratose folicular (doença de Darier), síndrome das unhas amarelas, síndrome da unha – patela, paquioníquia congênita.
  • Reação a medicamentos (especialmente tetraciclinas, quinolonas e psoralenos).

Exames complementares

As características clínicas da micose de unha podem imitar um grande número de outras doenças das unhas, como citado acima. Portanto, o diagnóstico laboratorial da micose de unha deve muitas vezes ser confirmado antes de iniciar um regime de tratamento.

Exames Micológico (“exame dos fungos”)

O exame micológico pode ser a microscopia direta ou a cultura de fungos.

Na microscopia direta, um ”raspado” do local é colocado numa lâmina e examinado no microscópio.

Na microscopia direta não é possível identificar o fungo específico envolvido na onicomicose, somente a sua presença.

Na cultura de fungos, o “raspado” é colocado em material (meio de cultura) que favorece o seu crescimento, podendo, assim, ser identificado o fungo.

Pode levar várias semanas para mostrar o resultado, geralmente de 4 a 6 semanas.

Um resultado micológico negativo não descarta a micose de unha, porque a microscopia direta pode ser negativa em até 10% dos casos e a cultura em até 30 % dos casos.

Até mesmo os resultados positivos devem ser interpretados com cautela, já que alguns fungos podem existir como saprófitas (colonizadores), ao invés de uma infecção.

Interpretação dos resultados

Os resultados são considerados positivos:

Para dermatófitos, se microscopia ou cultura é positiva.

Para Candida spp, se microscopia e a cultura são positivas.

Para os não-dermatófitos, se microscopia e a cultura são positivas em pelo menos duas amostras colhidas em diferentes ocasiões. Não-dermatófitos são causas raras de infecção na unha (geralmente infecção secundária após um trauma ou uma infecção por dermatófitos subjacente).

Dermatoscopia

A dermatoscopia é útil para distinguir onicomicose subungueal distal de onicólise traumática.

Na onicomicose subungueal distal, a borda proximal da área descolada é irregular, devido à presença de picos de branco-amarelados que se projetam para a lâmina da unha proximal. É o que é chamado de padrão “aurora boreal”. Micose de unha (onicomicose): tipos e tratamento

Clipping ungueal

É um exame muito simples, onde o médico simplesmente corta um pedaço da borda livre da unha com uma tesoura ou um cortador e envie para o patologista, como se fosse uma biópsia.

Nesse exame o patologista pode identificar a presença de fungos e diagnosticar a onicomicose ou pode descartar. Ele pode ainda diagnosticar outra causa da alteração na unha como a psoríase ungueal, líquen plano ungueal, onicólise traumática, paroníquia bacteriana, verruga vulgar subungueal, e melanoníquia.

Biópsia

Biópsia para exame histológico geralmente não é necessário a menos que haja razões para suspeitar de outra causa de doenças das unhas.

Complicações da micose de unha

  • Deformação da unha com dano estético e funcional
  • Paroníquia que é uma inflamação da região ao redor da unha.
  • Uma micose na unha do pé é porta de entrada para bactérias e pode ser um risco grave de infecção bacteriana secundária.
  • Para quem tem diabetes mellitus, esta situação pode até evoluir para a amputação do dedo ou até do pé.
  • Dor e limitação da função, particularmente em pessoas idosas.
  • Ao deixar a unha quebradiça, a micose de unha pode fazer com que a unha “lascada” penetre na pele e cause inflamação e unha encravada.

Para saber mais sobre unha encravada leia o nosso artigo Unha Encravada: Causas e o que Fazer para Evitar e Tratar.

Micose de unha (onicomicose): tipos e tratamento

Prevenção da micose de unha

Medidas de higiene podem limitar a propagação e prevenir recaídas:

  • Deve-se tratar outras infecções fúngicas, tais como o pé de atleta.
  • Não andar descalço em ambientes públicos, como piscinas, vestiários e ginásios.
  • Substituir calçados velhos, pois poderiam estar contaminados com esporos de fungos.
  • Secar bem os pés, inclusive entre os dedos, depois do banho
  • Evitar trauma nas unhas.
  • Evitar compartilhar a mesma toalha.
  • Usar meias de algodão e mudar as meias diariamente (ou mais de uma vez por dia, se os pés transpiram excessivamente).
  • Tirar os sapatos, ocasionalmente, durante o dia e após o exercício.
  • Deixar os sapatos secando por 24 horas antes de usá-los novamente.
  • Usar um antifúngico spray ou em pó para pulverizar ou regar os pés e os interiores dos sapatos.
  • Usar luvas de borracha. Isso protege as mãos de superexposição à água. Entre os usos, deve-se virar as luvas de borracha de dentro para fora para secar.
  • Escolher um salão de manicure e pedicure confiável. Deve-se certificar que o salão esteriliza os seus instrumentos. Melhor ainda é levar os próprios instrumentos, contratar somente a mão-de-obra.
  • Lavar as mãos depois de tocar uma unha infectada. O fungo pode se espalhar de unha a unha.

Tratamento da micose de unha

O tratamento da micose da onicomicose depende do tipo clínico da desta, do número de unhas afetadas e a severidade do envolvimento da unha.

O tratamento da micose de unha é um desafio porque a infecção fúngica fica incorporada na unha.

Como a unha do pé cresce 1mm por mês, o tratamento pode demorar um ano ou mais, pois o crescimento da unha nova (tratada) deve substituir inteiramente a unha infectada.

Um tratamento com comprimidos geralmente é necessário no tipo mais comum de onicomicose, aquela que afeta a região subungueal mais próxima da “raiz da unha”.

A onicomicose superficial branca e a que afeta a região subungueal mais distante da “raiz da unha’ pode ser tratada com um agente tópico, tipo esmalte.

Uma combinação de tratamento por via oral e local aumenta a taxa de cura.

Como a taxa de recorrência é elevada, mesmo com agentes mais novos, a decisão de tratar deve ser feita com uma clara compreensão dos custos e riscos envolvidos, bem como o risco de recorrência.

A cura somente é confirmada com uma cultura para fungos negativa.

Tratamento por via oral da micose de unha

A mais recente geração de agentes antifúngicos orais (Itraconazol e Terbinafina) substituiu a terapias mais antigas no tratamento da micose de unha. Estes medicamentos oferecem esquemas de tratamento mais curtos, taxas mais elevadas de cura e menos efeitos adversos.

Fluconazol e o novo Posaconazol (ambos não aprovados pela Food and Drug Administration – FDA – para tratamento de onicomicose) podem oferecer uma alternativa ao Itraconazol e Terbinafina.

Posaconazol não está disponível no Brasil.

A eficácia dos novos agentes antifúngicos reside na sua capacidade de penetração na unha.

As pesquisas mostram melhor eficácia da Terbinafina do que com outros agentes orais.

Para diminuir os efeitos adversos e duração da terapia oral, tratamentos tópicos podem ser combinados com o uso de antifúngico oral.

Terbinafina, Itraconazol e Fluconazol

Terbinafina

A terbinafina no tratamento de onicomicose deve ser usada até que os sintomas melhorem significativamente. Mais estudos são necessários para saber a duração ideal do tratamento.

A eficácia da Terbinafina é de 76 %.

A dose para o adulto é 1 comprimido de 250 mg diariamente por 6 semanas para unhas da mão e de 12 semanas para unhas dos pés.

Não há dados disponíveis sobre o uso em crianças com menos de 2 anos de idade (geralmente abaixo de 12 kg). A terbinafina é bem tolerada por crianças com mais de 2 anos de idade.

Administração em crianças em dose única diária, deve ser conforme a faixa de peso:

  • abaixo de 20 kg: 62,5 mg (1/2 comprimido de 125 mg);
  • de 20 a 40 kg: 125 mg (1 comprimido de 125 mg);
  • acima de 40 kg: 250 mg (2 comprimidos de 125 mg ou 1 comprimido de 250 mg).

Deve-se verificar se houve cura através de cultura e pesquisa direta de fungos nas unhas.

Não é recomendada em pessoas com insuficiência hepática crônica ou ativa

Itraconazol

É um agente antifúngico sintético que retarda o crescimento de células fúngicas.medicine_pills

A eficácia do Itraconazol é de 60 %.

Pode ser realizado o tratamento de duas formas: uso contínuo e pulsoterapia.

Deve-se verificar se houve cura através de cultura e pesquisa direta de fungos nas unhas.

Não é recomendada em pessoas com insuficiência hepática crônica ou ativa

Tratamento contínuo com Itraconazol

A dose é 200 mg por dia por 6 semanas para tratar as unhas das mãos e por 12 semanas tratar as unhas dos pés.

Pulsoterapia com Itraconazol

A pulsoterapia consiste na administração de 200 mg (2 cápsulas) duas vezes ao dia durante 7 dias.

O laboratório recomenda dois pulsos para infecções das unhas das mãos e três pulsos para infecções das unhas dos pés, mas o médico poderá determinar a quantidade de pulsos, conforme cada caso.

Os tratamentos em pulso são sempre separados por intervalo de 3 semanas sem medicamento. A resposta clínica será evidente a medida que a unha crescer após a descontinuação do tratamento.

Fluconazol

É também um agente antifúngico sintético que retarda o crescimento de células fúngicas.

Tratamento deve continuar até que a infecção seja curada.

A eficácia do Fluconazol é de 48 %.

A dose recomendada é de 1 cápsula de 150 mg 1 vez por semana.

O tempo de uso é indefinido e geralmente o médico reavalia a cada 3 meses. Pode ser necessário mais de 1 ano de tratamento.

Deve-se verificar se houve cura através de cultura e pesquisa direta de fungos nas unhas.

Não é recomendada em pessoas com insuficiência hepática crônica ou ativa

Tratamento local da micose de unha

O uso de agentes tópicos deve ser limitado aos casos envolvendo menos de metade da extremidade da unha ou para pessoas incapazes de tolerar o tratamento por via oral.

Tratamentos locais sozinhos são geralmente incapazes de curar a micose de unha por causa da fraca penetração na unha.

Esmaltes de Ciclopirox e Amorolfina conseguem penetrar todas as camadas da unha, mas têm baixa eficácia quando usados isoladamente. Assim, podem ser úteis em combinação com terapia oral ou como profilaxia para evitar a recorrência em pacientes curados com medicamentos por via oral.

Aplicação diária e tratamento de longa duração  (48 semanas) são necessários.

Efinaconazol e Tavaborol são medicamentos de uso local eficazes, mas não disponíveis no Brasil.

Ciclopirox e Amorolfina – esmalte

Indicado para micose de unha (subungueal) leve a moderada ou onicomicose superficial (branca), ou como tratamento combinado com medicamento por via oral.

Aplicar uniformemente sobre toda unha 1 vez por dia (de preferência 8 horas antes de lavar). Pode-se lixar e aplicar removedor antes.nail-polish-for-nail-fungus

O tratamento tem duração mínima em torno de 1 ano.

Ciclopirox tópica resulta em uma cura de 6 % a 9 % de casos. Amorolfina parece ser mais eficaz.

A combinação de Ciclopirox local e Terbinafina por via oral parece ser melhor do que qualquer agente sozinho.

Cirurgia

Abordagens cirúrgicas para tratamento de onicomicose também podem incluir a abordagem mecânica ou a abordagem química.

A remoção da placa ungueal deve ser considerada um tratamento adjuvante em pacientes submetidos a terapia oral. Uma combinação de terapêutica oral, tópica e cirúrgica pode aumentar a eficácia e reduzir os custos.

Remoção química usando um composto de ureia de 40-50% é indolor e útil em pacientes com unhas grossas.

A remoção mecânica pode danificar irreversivelmente a matriz e deve ser evitada.

Outras terapias

Recentemente, o tratamento não farmacológico tem sido desenvolvido para o tratamento de onicomicose evitando assim os efeitos colaterais e os riscos de antifúngicos orais.

Lasers que emitem radiação infravermelha matam os fungos pela produção de calor dentro do tecido infectado. O tratamento com laser erradica os fungos das unhas com uma a três sessões. Vários lasers foram aprovados para esta finalidade pelo FDA e outras autoridades reguladoras.

A terapêutica fotodinâmica também tem sido relatada como sendo bem-sucedida em pequenos números de pacientes.

A iontoforese e o ultrassom estão sob investigação como dispositivos utilizados para melhorar a penetração de drogas antifúngicas na unha.

Prognóstico

Sem tratamento, a condição geralmente espalha para as outras unhas e pode formar um porta de entrada para a infecções bacterianas recorrentes, como dito. É comum em diabéticos e pode contribuir para os problemas do pé.

Mesmo após o tratamento bem sucedido da micose de unha, a lâmina pode não parecer completamente normal, por dano irreversível à matriz (se a inflamação na matriz foi por longo tempo).

O tratamento só é bem sucedido em até 50 % das pessoas.

Mesmo naqueles em que o tratamento foi bem sucedido, as unhas podem parecer anormais por mais de 12 meses, devido ao seu crescimento lento.

Recorrência ocorre em cerca de 20-25 % das pessoas.

Se a doença progride, pode causar morbidade e perturbações funcionais, particularmente nos idosos.

Referências

O que É asma: causas, sintomas e tratamento