Sinusite: sintomas, prevenção e tratamento

Sinusite: sintomas, prevenção e tratamento

Tempo de leitura estimado: 7 minutos
Print Friendly, PDF & Email

O que é sinusite?

Muitas vezes um resfriado que não desaparece é uma provável sinusite.

Sinusite é uma inflamação das cavidades dentro dos ossos que cercam o nariz, os seios paranasais.

A sinusite também é chamada de rinossinusite, mas não é a mesma coisa que rinite!

Mas o que são seios paranasais?

Sobre os seios paranasais

O nariz é a principal via de acesso para entrada e saída de ar dos pulmões e é o órgão responsável pelo olfato.

O olfato é o sentido que nos dá a capacidade de sentir cheiros, fragrâncias.

O nariz aquece, umedece e limpa o ar, antes que ele entre nos pulmões.

Ao redor do nariz, os ossos da face contêm espaços ocos chamados seios paranasais.

Há quatro grupos de seios paranasais:

  • seios maxilares
  • seios etmoidais
  • seios frontais
  • seios esfenoides Sinusite: sintomas, prevenção e tratamento

Os seios paranasais, além de reduzir o peso dos ossos faciais, mantendo a resistência e a forma dos mesmos, são espaços cheios de ar que também conferem ressonância à voz.

Os seios paranasais são revestidos por uma fina membrana que produz uma secreção chamada muco.

Este muco normalmente é empurrado por células ciliadas e é drenado através de pequenas aberturas para a cavidade nasal.

A sinusite começa quando esse sistema de drenagem é bloqueado, geralmente devido ao inchaço por inflamação causada por uma infecção ou alergia.

A dor de cabeça é causada pela pressão e inflamação dentro dos seios paranasais, e o muco espesso obstrui o nariz.

Os sintomas podem desaparecer por conta própria, mas frequentemente persistem ou retornam repetidamente.

Como surge a sinusite?

Sinusite: sintomas, prevenção e tratamento

Existem milhões de bactérias no nariz e, na maioria das vezes, elas são inofensivas.

Mesmo quando algumas entram nos seios paranasais, elas não causam problemas, desde que a drenagem das células ciliares destas cavidades funcionem e expulse as bactérias para o nariz junto com o muco.

Mas, se a drenagem for bloqueada e o muco continuar a ser produzido nos seios paranasais, o muco acumulado funcionará como meio de cultura perfeito para a proliferação das bactérias ali presentes.

As bactérias crescem fora de controle, causando infecção, e o sistema imunológico desencadeia uma resposta inflamatória.

A congestão nasal causada pela rinite alérgica é uma situação muito comum.

Sintomas: como saber se a pessoa tem sinusite

A inflamação, a obstrução das passagens aéreas e a infecção bacteriana causam os sintomas, que são:

  • inchaço, que causa dor de cabeça;
  • acúmulo de muco, que produz congestão;
  • migração local de glóbulos brancos para combater as bactérias, que, com esse combate, produz pus torna o muco amarelado.
  • e febre, em casos mais graves

Outros sintomas incluem perda de olfato ou paladar, tosse, mau hálito, dor de dente e sensação de plenitude nos ouvidos (como se estivessem “entupidos”).

Ao exame médico, a sensação de dor ao ser pressionado o local do seio paranasal afetado é característico.

Sinusite: sintomas, prevenção e tratamento

O bloqueio do seio pode ter uma variedade de causas ambientais, anatômicas e genéticas, mas o principal culpado é o inchaço das vias nasais produzidas pelo resfriado comum ou alergias.

Uma sinusite mais grave pode resultar de problemas estruturais, como um desvio de septo ou pólipos nasais.

Classificação da sinusite

A sinusite é classificada conforme o tempo de duração da doença.

  • Sinusite “aguda” dura um mês ou menos;
  • sinusite “subaguda” dura de um mês a três meses;
  • e sinusite “crônica” por mais tempo do que isso (às vezes por anos).

Se vários ataques agudos ocorrem dentro de um ano, a condição é chamada de “recorrente”.

Diagnóstico da sinusite

Na maioria dos casos é possível fazer o diagnóstico sem a realização de exames complementares, somente avaliando a história e o exame físico.

A rinoscopia (endoscopia nasal) pode ser feita no consultório pelo otorrinolaringologista para tentar visualizar diretamente os seios paranasais e confirmar a suspeita clínica.

Radiografia dos seios da face

A radiografia dos seios da face não é o melhor exame para o diagnóstico, pois a sua sensibilidade é baixa, mas ainda é o exame mais solicitado por ser mais acessível.

Devido à sua baixa sensibilidade, a radiografia de seios paranasais consegue confirmar quando há sinusite, mas não pode descartar o diagnóstico quando o exame é normal.

Tomografia computadorizada dos seios da face

O melhor exame de imagem atualmente é a tomografia computadorizada (TC).

As imagens numa tomografia são muito mais bem definidas, sendo assim capaz de excluir o diagnóstico de sinusite, quando normal.

Tratamento da sinusite

O tratamento começa com procedimentos simples, como a irrigação nasal e, se necessário, progride para estratégias mais avançadas, como a terapia com medicamentos prescritos ou a cirurgia.

A maioria das pessoas com sinusite aguda melhora sem tratamento, se mantiver as passagens nasais desobstruídas com medidas simples descritas abaixo em “Prevenindo a sinusite”.

É difícil prever quem desenvolverá sinusite crônica, mas saber mais sobre os dois principais tipos pode ajudar a decidir como tratar os sintomas e quando consultar um médico.

Princípios básicos do tratamento:

Sinusite aguda

A sinusite aguda geralmente começa com um resfriado.

Vírus, e não bactérias, causam resfriados, então é inútil tratá-los com antibióticos.

Mas quando um resfriado se transforma em sinusite, isso significa que as passagens nasais bloqueadas desencadearam uma infecção secundária causada por bactérias e, eventualmente, a pessoa pode precisar de um antibiótico.

Raramente, especialmente em pessoas com sistema imunológico enfraquecido, uma infecção fúngica é a causa.

Se os sintomas forem graves e durarem mais de uma semana, deve-se consultar um médico clínico.

Os antibióticos geralmente são administrados por 10 a 14 dias, mas os estudos sugerem que, em alguns casos, três a sete dias são suficientes.

A primeira escolha é muitas vezes amoxicilina ou amoxicilina combinada com clavulanato.

Muitas vezes um ciclo de cinco dias de azitromicina também funciona bem.

Para a dor, uma compressa morna no rosto ou inalar vapor ajuda a desobstruir as vias aéreas.

Um analgésico de venda livre, como aspirina, ibuprofeno ou paracetamol, também pode aliviar a dor de cabeça e a febre.

Sinusite: sintomas, prevenção e tratamento

Sinusite crônica

Se os sintomas persistirem ou continuarem retornando, a pessoa pode ter sinusite crônica, um distúrbio mais complexo que exige avaliação de um otorrinolaringologista que é o especialista em doenças do ouvido, nariz e garganta.

Alguns exames podem ser solicitados, como radiografia dos ossos da face, tomografia, hemograma (verificar se há sinais de infecção mais importante) e até testes de alergia.

A irrigação nasal e os descongestionantes podem ajudar no tratamento da sinusite crônica, mantendo o muco solto e a passagem nasal desobstruída.

Um agente diluente do muco, como guaifenesina ou N-acetilcisteina podem ser prescritos.

Ingerir muita água também ajuda a diluir o muco.

Corticosteróides nasais, como fluticasona ou beclometasona podem ser adicionados para ajudar a combater a inflamação. Estes devem ser aplicados adequadamente para evitar o sangramento nasal.

Os corticosteróides orais também são eficazes, especialmente na redução de grandes pólipos, mas podem ter sérios efeitos a longo prazo, como ossos enfraquecidos e maior suscetibilidade a infecção. Somente devem ser usados conforme prescrição médica.

A infecção bacteriana pode ser complicada na sinusite crônica e pode exigir diferentes antibióticos e um curso mais longo de terapia.

Em alguns casos, antibióticos intravenosos podem ser necessários, principalmente quando os antibióticos orais falharam e a cirurgia não é possível, ou quando a infecção se espalhou para além dos seios paranasais.

Às vezes, o problema principal é anatômico, como pólipos nasais, desvio de septo, passagens paranasais congenitamente estreitadas ou tecido espessado por anos de infecção.

Nesse caso, a cirurgia minimamente invasiva pode ajudar, reduzindo o número e a gravidade das infecções sinusais e, às vezes, restaurando a função sinusal normal.

A cirurgia não é uma cura para tudo: os pólipos, por exemplo, podem voltar a crescer. Cada situação é diferente, por isso é importante discutir as opções com um especialista em otorrinolaringologia.

Outras medicações

Descongestionantes nasais

Os descongestionantes nasais devem ser usados por no máximo 3 dias.

O uso deve ser por período curto, pois, se usados por longo tempo, têm a tendência de criar um ciclo vicioso por causa do efeito que causam.

Ou seja: a abertura das vias aéreas pela medicação é maior do que a fisiológica e a pessoa passa a sentir como se esta abertura maior fosse a normal, tendendo a usar o remédio mesmo quando já não há obstrução.

Este uso exagerado acaba por fazer com que o corpo necessite do descongestionante para manter as vias aéreas desobstruídas, levando à dependência.

Anti-histamínicos

O uso de anti-histamínicos, também conhecidos como antialérgicos, somete devem ser utilizados se há um processo alérgico associado, caso contrário não qualquer benefício.

Aliás, os anti-histamínicos tendem a “secar” as vias aéreas, deixando as secreções mais espessas e com maior dificuldade de drenagem.

Prevenindo a sinusite

Há muitas coisas que podem ser feitas para reduzir as chances de desenvolver sinusite ou aliviar os sintomas de sinusite precoce.

Um dos mais importantes é promover a drenagem e manter as passagens nasais desobstruídas.

Primeira linha de defesa contra sinusite: irrigação (lavagem) nasal

Uma das maneiras mais simples, baratas e eficazes de prevenir e tratar problemas de sinusite é a irrigação nasal.

A irrigação nasal ajudará a desobstruir a passagem nasal.

Usando uma solução caseira, muitas vezes pode-se aliviar os sintomas de sinusite, reduzir a dependência de sprays nasais e antibióticos e melhorar a qualidade de vida.

Pelo menos uma vez por dia, pode-se fazer a irrigação a seguir:

  1. Misture ½ colher de chá de sal e ½ colher de chá de bicarbonato de sódio em 2 xícaras de água morna destilada ou previamente fervida.
  2. Encha uma seringa pequena com esta solução de água salgada.
  3. Incline-se sobre a pia do banheiro, insira a ponta da seringa dentro de uma das narinas e injete suavemente a solução. A água escorrerá pela narina até a pia.
  4. Repita o procedimento na outra narina. (Se a solução salina agredir o nariz, use menos sal.)
  5. Enxágue bem e seque a seringa após cada uso.

Uma opção à esta solução é usar soro fisiológico 0,9 % morno.

Observação: morno não é quente!

Sinusite: sintomas, prevenção e tratamento

  • Faça irrigação nasal descrita acima diariamente. um bom momento para fazer são de manhã e à noite, antes ou após escovar os dentes, para seguir uma rotina. Durante o dia, pode-se usar spray salino nasal para umedecer as passagens nasais.

Outros procedimentos para prevenir a sinusite:

  • Beba muita água. Uma boa hidratação ajuda a manter o muco diluído e solto. Sinusite: sintomas, prevenção e tratamento
  • Inale vapor. Ferva a água e despeje em uma panela; coloque uma toalha sobre a cabeça e inale o vapor. Aproxime o rosto devagar e cuidado para não se queimar.
  • Evite ambientes secos. Um umidificador em casa e no trabalho, se possível, pode ajudar a evitar que as passagens nasais sequem. Mantenha os umidificadores limpos e livres de bactérias e mofo.
  • Durma com a cabeça elevada. Ajude a drenar o muco dos seios paranasais à noite, mantendo a cabeça apoiada em travesseiros durante o sono.
  • Evite anti-histamínicos, a menos que prescritos. Os anti-histamínicos tornam o muco espesso e difícil de drenar. Mas se a sua sinusite for desencadeada por alergias, o médico pode prescrever um anti-histamínico junto com outros medicamentos.
  • Tenha cuidado com os descongestionantes. Comprimidos contendo pseudoefedrina agem nos vasos sanguíneos para “encolher” as membranas e manter as passagens nasais abertas. Sprays nasais contendo fenilefrina ou oximetazolina também funcionam bem – e rapidamente. Mas o uso de descongestionantes nasais tópicos por mais de um dia ou dois corre o risco de desencadear uma espiral de dependência como resultado do rebote – aumento do inchaço após o desaparecimento da medicação. Descongestionantes orais podem causar ansiedade e aumentar a pressão arterial. Pessoas com pressão alta, não devem usar sem antes consultar um médico.
  • Controle a rinite alérgica: leia sobre rinite alérgica.

Leia sobre a diferença entre sinusite e resfriado em crianças.

Referências

O que É asma: causas, sintomas e tratamento