Psoríase: fatores de risco, tipos, sintomas e diagnóstico

Psoríase: fatores de risco, tipos, sintomas e diagnóstico

Tempo de leitura estimado: 9 minutos
Print Friendly, PDF & Email

Os surtos de psoríase afetam não apenas a pele, mas também a saúde emocional e bem-estar geral da pessoa. Afetam a qualidade de vida!

A psoríase é uma doença comum

Milhões de pessoas no Brasil têm psoríase.

A psoríase pode começar em qualquer idade, mas a maioria dos diagnósticos ocorre na idade adulta, sendo a média de início entre 15 e 35 anos.

Homens e mulheres são afetados igualmente. E é muito mais comum em pessoas de pele clara.

Ter um membro da família com a doença aumenta o risco. No entanto, muitas pessoas com a doença não têm história familiar e algumas pessoas com histórico familiar não desenvolvem a doença.

Cerca de 15% das pessoas com psoríase receberão um diagnóstico de artrite psoriásica. Além disso, pessoas com psoríase são mais propensas a desenvolver condições como:

A psoríase é contagiosa?

Não, a psoríase não é contagiosa.

Tocar em uma lesão de psoríase não transmite a doença.

O que é psoríase?

A psoríase é uma doença inflamatória crônica, autoimune, que causa uma aceleração da velocidade de renovação da pele. Porém a pele mais antiga não é logo descartada e fica como escamas aderidas à pele nova que é mais avermelhada.

A psoríase, então, é o resultado de um processo acelerado de produção da pele.

O ciclo de renovação normal é de 28 dias e cai para 13 dias nesta doença.

É um doença autoimune, pois é resultado de uma agressão das células de defesa, os anticorpos, ao próprio organismo.

Essa doença é comumente associada a várias outras condições, incluindo:

  • Diabetes tipo 2
  • Doença inflamatória intestinal
  • Doença cardíaca
  • Artrite psoriásica

O que causa a psoríase?

A causa exata não é totalmente compreendida.

Mesmo não se sabendo a causa, sabe-se que dois fatores estão envolvidos: a genética e o sistema imunológico.

Sistema imunológico

A psoríase é uma condição autoimune. Condições autoimunes são o resultado do corpo se atacar.

Acredita-se que células T, que são células de defesa do corpo, estejam envolvidas.

Em pessoas com psoríase, as células T atacam células saudáveis da pele e ativam outras respostas imunológicas.

Esse ataque equivocado causa um processo inflamatório e faz com que o processo de produção de células da pele fique acelerado.

A produção acelerada de células da pele faz com que novas células se desenvolvam muito rapidamente.

Essas células jovens são empurradas para a superfície da pele, onde se acumulam e formam as escamas.

A pele fica avermelhada sob as escamas devido ao processo inflamatório de base.

Genética

Algumas pessoas herdam genes que as tornam mais propensas a desenvolver psoríase.

Quem tem um familiar imediato com esta doença tem um risco maior de desenvolver psoríase. No entanto, a porcentagem de pessoas que uma predisposição genética e têm psoríase é pequena. Aproximadamente 2 a 3 % das pessoas com o gene desenvolvem a doença.

Fatores de risco para psoríase

Muitos fatores ambientais e de estilo de vida podem desencadear o desenvolvimento da psoríase ou o surgimento de novas crises.

Os gatilhos comuns são:

  • Fumar
  • Infecções
  • Obesidade
  • Trauma cutâneo, como cortes, picadas de insetos e queimaduras
  • 5 perguntas e respostas sobre a psorÍase Estresse
  • Exposição a temperaturas frias
  • História familiar de psoríase
  • Certos medicamentos, como lítio, medicamentos para pressão arterial e iodetos
  • Ter HIV positivo
  • Alcoolismo

Fumar não é apenas um gatilho. Pode também aumentar a gravidade da doença e a dificuldade em controlar a doença.

Pesquisas mostram que fumar pode causar um em cada cinco casos de psoríase e dobra o risco de desenvolver a doença. Isso pode ser devido aos efeitos da nicotina nas células da pele, inflamação da pele e seu sistema imunológico.

Embora alguns digam que alergias e certos alimentos podem desencadear crises de psoríase, essas alegações não têm comprovação científica.

Quais são os sintomas da psoríase?

Os sintomas e sinais diferem de pessoa para pessoa e dependem do tipo de psoríase.

As áreas afetadas podem ser tão pequenas quanto algumas escamas no couro cabeludo ou no cotovelo, ou cobrir a maior parte do corpo.

Os sintomas mais comuns incluem:

  • Manchas vermelhas, elevadas e inflamadas da pele
  • Escamas esbranquiçadas ou prateadas, às vezes formando placas sobre manchas vermelhas
  • Pele seca que pode fissurar (rachar) e sangrar
  • Dor ao redor de manchas
  • Sensação de coceira e queimação em torno de manchas
  • Unhas grossas
  • Articulações dolorosas e inchadas

Nem toda pessoa experimentará todos esses sintomas.

5 perguntas e respostas sobre a psorÍase

As placas geralmente se desenvolvem nas articulações, tais cotovelos e joelhos. Eles podem se desenvolver em qualquer parte do corpo, incluindo:

  • Couro cabeludo
  • Cotovelos
  • Joelhos
  • Palmas das mãos e plantas dos pés
  • Tronco
    5 perguntas e respostas sobre a psorÍase

Tipos menos comuns de psoríase afetam as unhas, a boca e a área ao redor dos órgãos genitais.

A maioria das pessoas com psoríase passa por “ciclos” de sintomas, ou seja: fases em que a doença apresenta muitas lesões na pele e fases em a pele pode até ficar completamente sem lesões.

 

Mesmo sem lesões no corpo, nunca se poderá concluir que a doença está curada, apenas está sob controle.

Geralmente a piora do quadro está relacionada ao fator emocional.

No couro cabeludo, a psoríase pode ser confundida com dermatite seborreica (caspa).

Saiba reconhecer a diferença entre caspa e psoríase.

Quais são os diferentes tipos de psoríase?

Existem cinco tipos: psoríase em placas; psoríase gutata; psoríase pustulosa; psoríase invertida; e psoríase eritrodérmica.

Psoríase em placas

Este é a forma mais comum.

Estima-se que cerca de 80% das pessoas com a doença têm psoríase em placas.

Este tipo causa manchas vermelhas e inflamadas que cobrem áreas da pele.

Estas manchas são frequentemente cobertas com escamas prateadas ou esbranquiçadas.

Essas placas são comumente encontradas nos cotovelos, joelhos e couro cabeludo.

As placas no couro cabeludo podem ser confundidas com dermatite seborreica. Conheça as diferenças entre caspa e psoríase.

PsorÍase: tipos, sintomas e diagnóstico

Psoríase gutata

Este tipo é mais comum na infância e na adolescência.

Esta forma provoca pequenas manchas cor de rosa, quase que arredondadas como uma “gota”. Por isso o nome gutata.

Os locais mais comuns incluem o tronco, os braços e as pernas.

Essas manchas raramente são espessas ou aumentadas como a psoríase em placas. PsorÍase: tipos, sintomas e diagnóstico

Psoríase pustulosa

Esta forma é mais comum em adultos.

Este tipo causa bolhas brancas e cheias de pus e áreas amplas de pele vermelha e inflamada.

A psoríase pustulosa é tipicamente localizada em áreas menores do corpo, como as mãos ou pés, mas pode ser generalizada.

Um detalhe importante é que a presença de pus não significa que é uma infecção, pois essa secreção não contém bactérias. PsorÍase: tipos, sintomas e diagnóstico

Psoríase invertida

Esta condição causa áreas brilhantes de pele vermelha, brilhante e inflamada.

Manchas de psoríase inversa se desenvolvem sob axilas ou seios, na virilha ou em torno de dobras cutâneas nos genitais.

Este tipo é chamada de “invertida” porque as áreas afetadas são inversas às áreas comuns da psoríase em placas.

PsorÍase: tipos, sintomas e diagnóstico

Psoríase eritrodérmica

A forma eritrodérmica é um tipo grave e muito raro de psoríase. Essa apresentação geralmente cobre grandes seções do corpo de uma só vez.

PsorÍase: tipos, sintomas e diagnóstico

A pele fica quase toda avermelhada e descamativa. As escamas que se desenvolvem geralmente se desfazem em grandes seções ou folhas.

Não é incomum que uma pessoa nesta condição tenha febre ou fique muito doente.

Este tipo pode ser fatal, por isso as pessoas devem consultar um médico imediatamente.

A forma eritrodérmica pode ser a primeira apresentação da doença ou pode ser causada pelo efeito rebote do uso de corticóides injetáveis por uma pessoa que já tem a doença.

Diagnóstico

Dois exames podem ser necessários: exame físico e biópsia de pele.

Exame físico

A maioria dos médicos consegue fazer um diagnóstico com um simples exame físico.

Os sintomas e sinais são geralmente evidentes e fáceis de distinguir de outras condições que podem causar sintomas semelhantes.

Biópsia

Se os sintomas não forem claros ou se o seu médico quiser confirmar o diagnóstico suspeito, ele pode fazer uma biópsia da pele.

A amostra da pele será enviada para um laboratório, onde será examinada ao microscópio por um médico patologista.

O exame pode confirmar o diagnóstico de psoríase ou pode sugerir a condição. Como pode também descartar esse diagnóstico e indicar outro problema.

A maioria das biópsias é feita no consultório.

Psoríase e artrite

O Colégio Americano de Reumatologia (ACR) estima que 15% das pessoas com psoríase desenvolverão artrite psoriásica.

Este tipo de artrite provoca inchaço, dor e inflamação nas articulações afetadas.

É comumente confundido com artrite reumatoide ou gota.

A presença de áreas vermelhas inflamadas da pele com placas geralmente distingue este tipo de artrite de outras.

A artrite psoriásica é uma condição crônica.

Como a psoríase, os sintomas da artrite psoriásica podem ir e vir, alternando entre crises e remissão.

A artrite psoriásica também pode ser contínua, com sintomas e problemas constantes.

Essa condição geralmente afeta as articulações dos dedos das mãos ou dos pés.

Também pode afetar a parte inferior das costas, pulsos, joelhos ou tornozelos.

A maioria das pessoas que desenvolvem artrite psoriásica tem psoríase. No entanto, é possível desenvolver a condição articular sem ter a doença.

A maioria das pessoas que recebe um diagnóstico de artrite sem ter psoríase tem um membro da família que tem a condição da pele.

Os tratamentos para a artrite psoriásica podem aliviar com sucesso os sintomas, aliviar a dor e melhorar a mobilidade articular.

Assim como a psoríase, perder peso, manter uma dieta saudável e evitar desencadeantes também podem ajudar a reduzir os surtos de artrite psoriásica.

Um diagnóstico precoce e plano de tratamento podem reduzir a probabilidade de complicações graves, incluindo danos nas articulações.

Unhas e psoríase

Cerca de metade das pessoas com psoríase e cerca de 80% das pessoas com artrite psoriásica desenvolvem alterações nas unhas.

Não se sabe por que isso acontece.

Em casos raros, as unhas são a única parte do corpo que mostra sinais da doença.

Em muitos casos as alterações nas unhas podem confundir o aspecto de uma micose de unha, retardando o diagnóstico de psoríase ungueal.

PsorÍase: tipos, sintomas e diagnóstico

Tratamento

A psoríase é uma doença crônica que não tem cura, mas tem controle

Então, o tratamento dessa doença visa ao controle que tem dois grandes objetivos:

  • A melhora das lesões da pele
  • A melhora da qualidade de vida do paciente.

A escolha e a duração do tratamento dependem da gravidade da psoríase.

Nos últimos anos, novos tratamentos para combater a psoríase chegaram ao mercado com consequente melhora na vida dos pacientes.

Opções de tratamento para psoríase

Os tratamentos visam reduzir a inflamação e as escamas, retardar o crescimento das células da pele e remover as placas.

Tratamentos de psoríase caem em três categorias:

Tratamentos tópicos

Cremes e pomadas aplicadas diretamente na pele podem ser úteis para reduzir a psoríase leve a moderada.

Os tratamentos tópicos de psoríase incluem:

  • Corticosteroides tópicos
  • Retinoides tópicos
  • Antralina
  • Calcipotriol (um análogo da vitamina D)
  • Ácido salicílico

Além dos medicamentos, uso de cremes hidratantes é fundamental.

O médico pode preferir uma combinação destes medicamentos ou prescrevê-los isoladamente.

PsorÍase: tratamento e controle

Os corticosteroides funcionam bem para conter as inflamações, mas não podem ser tomados sem supervisão médica, pelo risco de efeitos colaterais e devido a criar a dependência ao medicamento, o que dificulta o controle no longo prazo.

Medicações sistêmicas (via oral ou injetável)

Pessoas com psoríase moderada a grave e aquelas que não responderam bem a outros tipos de tratamento, podem precisar usar medicamentos orais ou injetáveis.

Muitos desses medicamentos têm efeitos colaterais graves.

Os médicos geralmente os prescrevem por curtos períodos de tempo.

PsorÍase: tratamento e controle

Estes medicamentos incluem:

  • Biológicos
  • Acitretina
  • Ciclosporina
  • Metotrexate

Biológicos

Esta classe de medicamentos altera o sistema imunológico e previne as interações entre o sistema imunológico e as vias inflamatórias.

Os biológicos são injetáveis, em sua maioria.

Etanercepte, adalimumabe, infliximabe, alefacepte, ustequinumabe, secuquinumabe ou ixekizumabe são os agentes biológicos usados.

O apremilaste é outra opção e é tomado por via oral.

Em 30 de outubro de 2018, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (SCTIE) tornou pública a decisão pela incorporação dos seguintes medicamentos biológicos para psoríase no âmbito do SUS:

  • Adalimumabe, como primeira opção de tratamento;
  • Secuquinumabe e ustequinumabe na falha o adalimumabe; e
  • Etarnecepte para pacientes pediátricos, que falharam, tenham contraindicação ou intolerância à terapia tradicional.

Acitretina

A acitretina reduz a produção de células da pele.

Os efeitos colaterais incluem perda de cabelo reversível e ressecamento da pele, principalmente dos lábios.

Também podem ocorrer danos ao fígado e elevação dos níveis de colesterol.

Mulheres grávidas ou com possibilidade de engravidar nos próximos três anos não devem tomar acitretina devido ao risco defeitos congênitos.

Ciclosporina

A ciclosporina é um imunossupressor, isto é, impede a resposta do sistema imunológico.

Isso pode aliviar os sintomas da psoríase.

Os efeitos colaterais incluem problemas renais e pressão alta.

Além do risco de infecções oportunistas, devido à baixa da resposta imunológica.

Metotrexate

Como a ciclosporina, o metotrexate suprime o sistema imunológico.

Este medicamento pode causar menos efeitos colaterais quando usado em doses baixas.

O metotrexate pode causar sérios efeitos colaterais a longo prazo.

Os efeitos secundários graves incluem danos no fígado e redução da produção de glóbulos vermelhos e brancos.

Fototerapia (Terapia de luz)

Este tratamento de psoríase utiliza radiação ultravioleta (UV)

Essa radiação UV pode ser produzida por um equipamento ou ser natural (do Sol).

A radiação UV neutraliza os glóbulos brancos superativos que atacam as células saudáveis da pele e causam o rápido crescimento celular.

Ambas as luzes UVA e UVB podem ser úteis na redução dos sintomas de psoríase leve a moderada.

PsorÍase: tratamento e controle

Hábitos saudáveis para controlar a psoríase

A comida não pode curar ou mesmo tratar a psoríase, mas comer melhor pode reduzir seus sintomas.

Essas mudanças no estilo de vida podem ajudar a aliviar os sintomas da psoríase e reduzir os surtos:

Perder peso

Se a pessoa está acima do peso, perder peso pode reduzir a gravidade da condição.

Perder peso também pode tornar os tratamentos mais eficazes.

Não está claro como o peso interage com a psoríase, portanto, mesmo que os sintomas permaneçam inalterados, a perda de peso ainda é boa para a saúde geral.

Ter uma alimentação saudável para o coração

A pessoa deve reduzir a ingestão de gorduras saturadas.

Estas são encontradas em produtos de origem animal, como carnes e laticínios.

Aumentar a ingestão de proteínas magras que contêm ácidos graxos ômega-3, como salmão, sardinha e camarão ajuda na proteção das células.

Fontes vegetais de ômega-3 incluem nozes, sementes de linho e soja.

Evitar alimentos desencadeantes

A psoríase provoca inflamação.

Certos alimentos causam inflamação também.

Evitar esses alimentos pode melhorar os sintomas:

  • Carne vermelha
  • Açúcar refinado
  • Alimentos processados
  • Lacticínios

Ingerir menos álcool

O consumo de álcool pode aumentar os riscos de um surto.

Deve-se reduzir ou parar completamente o consumo para ter melhor controle da psoríase.

Reduzir o Estresse

O estresse é um gatilho bem estabelecido para a psoríase.

Aprender a gerenciar e lidar com o estresse pode ajudar a reduzir os surtos e a aliviar os sintomas. PsorÍase: tratamento e controle

Saúde emocional

Pessoas com psoríase são mais propensas a ter problemas de depressão e auto-estima.

Todas essas questões emocionais são válidas. É importante lidar com elas.

Isso pode incluir falar com um psicólogo ou um psiquiatra ou ingressar em um grupo para pessoas com psoríase.

Referências

O que É asma: causas, sintomas e tratamento