Coceira na Vagina: 8 Causas Principais

Curta e Compartilhe!
Tempo de leitura: 5 minutos

O que saber sobre coceira na vagina

A coceira nas partes íntimas de uma mulher, mais propriamente na vaginal, é um sintoma desconfortável e por vezes doloroso que ocorre frequentemente devido a substâncias irritantes, infecções ou menopausa.

Também pode ocorrer como resultado de certos distúrbios da pele ou doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Em casos raros, a coceira na vagina pode se desenvolver devido ao estresse ou ao câncer vulvar.

publicidade

A maioria das coceiras não é motivo de preocupação. No entanto, a mulher deve procurar um médico se o sintoma for persistente ou intenso.

Causas de coceira vaginal

Aqui descreveremos 8 das possíveis causas de coceira da vagina e da área ao redor

1 Irritantes

Expor a vagina a produtos químicos irritantes pode causar coceira vaginal.

Estes irritantes podem desencadear uma reação alérgica que cria uma erupção cutânea com comichão em várias áreas do corpo, incluindo a vagina.

Os irritantes químicos comuns incluem:

  • sabonetes
  • banhos de espum
  • sprays femininos
  • contraceptivos tópicos
  • cremes e pomadas
  • lenços umedecidos
  • sabão em pó das roupas
  • amaciantes de tecidos
  • papel higiênico perfumado

2 Doenças de pele

Algumas doenças de pele, como eczema atópico e psoríase, podem causar vermelhidão e coceira na região genital.

O eczema, também conhecido como dermatite atópica, é uma erupção cutânea que ocorre principalmente em pessoas com asma ou alergias.

A erupção é avermelhada com uma textura escamosa.

Pode se espalhar para a vagina em algumas mulheres com eczema.

A psoríase é uma doença comum da pele que faz com que manchas vermelhas escamosas e que, às vezes, coçam se formem ao longo do couro cabeludo e das articulações.

Às vezes, surtos desses sintomas podem ocorrer na vagina também.

3 Infecção por fungos

A Candida é um fungo que ocorre naturalmente em algumas áreas do corpo e está normalmente presente na vagina.

Geralmente não causa problemas, mas quando o crescimento não é controlado, uma infecção desconfortável pode resultar.

Esta infecção é conhecida como uma candidíase vaginal.

É uma condição muito comum, afetando 3 de 4 mulheres em algum momento de suas vidas.

publicidade

A infecção geralmente ocorre depois de a mulher tomar antibióticos, pois esses tipos de medicamentos podem destruir as bactérias boas junto com as bactérias ruins.

As bactérias boas são necessárias para manter o crescimento da Candida sob controle.

O crescimento excessivo da Candida na vagina pode resultar em sintomas desconfortáveis, incluindo coceira, queimação e corrimento esbranquiçado.

Leia sobre outras infecções por fungos na pele.

4 Vaginose bacteriana

Vaginose bacteriana é outro motivo comum para coceira vaginal.

Como a infecção vaginal por Candida, a vaginose bacteriana é desencadeada por um desequilíbrio entre bactérias boas e ruins na vagina.

A condição nem sempre causa sintomas.

Quando os sintomas aparecem, eles geralmente incluem coceira vaginal e uma secreção anormal e mal-cheirosa.

O corrimento pode ser “aquoso” e sem brilho, de cor acinzentado ou esbranquiçado. Em alguns casos, também pode ser espumoso.

5 Doenças sexualmente transmissíveis

Numerosas doenças sexualmente transmissíveis podem ser transmitidas durante a relação sexual desprotegida e causar coceira na vagina. Esses incluem:

  • clamídia
  • verrugas genitais
  • gonorréia
  • herpes genital (leia sobre HPV)
  • tricomoníase

Estas condições também podem causar sintomas adicionais, incluindo corrimento vaginal esverdeado ou amarelado e dor ao urinar.

6 Menopausa

As mulheres que estão passando pela menopausa ou que já passaram correm mais risco de coceira vaginal.

Isto é devido à redução dos níveis de estrogênio que ocorrem durante a menopausa, o que leva à atrofia vaginal.

Este é um afinamento da mucosa que pode levar a secura excessiva.

A secura pode causar coceira e irritação.

7 Estresse

O estresse físico e emocional pode causar coceira vaginal e irritação, embora isso não seja muito comum.

Pode ocorrer quando o estresse enfraquece o sistema imunológico, deixando o organismo mais propenso a infecções que causam coceira.

Leia mais sobre ansiedade.

8 Câncer vulvar

Em casos raros, a coceira vaginal pode ser um sintoma do câncer vulvar.

Este é um tipo de câncer que se desenvolve na vulva, que é a parte externa dos genitais da mulher.

Inclui os pequenos  lábios (os internos) e os grandes lábios (os externo), o clitóris e a abertura da vagina.

O câncer vulvar nem sempre causa sintomas.

No entanto, quando os sintomas ocorrem, eles podem incluir coceira, sangramento anormal ou dor na área vulvar.

O câncer de vulva pode ser tratado com sucesso se for diagnosticado nos estágios iniciais.

Esta é outra razão pela qual os exames anuais com ginecologistas são essenciais.

Outras causas de coceira na vagina

Em quem tem diabetes ou incontinência urinária, a urina também pode causar irritação vaginal e coceira.

publicidade

Outros tipos de coceira vaginal e irritação geralmente desaparecem por conta própria.

Quando consultar o médico sobre coceira vaginal

É importante consultar o médico para coceira vaginal se esta for impotante o suficiente para interromper as atividades diárias ou atrapalhar para dormir.

Embora a maioria das causas não seja grave, existem alguns tratamentos que podem diminuir o desconforto da coceira vaginal.

Outro fator de importância é se a coceira vaginal persistir por mais de uma semana ou se ocorrer junto com os seguintes sintomas:

  • úlceras ou bolhas na vulva
  • dor ou sensibilidade na área genital
  • vermelhidão genital ou inchaço
  • dificuldade para urinar
  • corrimento vaginal
  • desconforto durante a relação sexual

Uma boa higiene e hábitos de vida podem evitar ou melhora a coceira nas região genital:

  • Use água morna e um sabonete neutro e suave para lavar a área genital.
  • Evite sabonetes perfumados, loções e banhos de espuma.
  • Evite usar produtos como sprays vaginais e duchas.
  • Mude de roupa, se molhada ou úmida, logo após nadar ou se exercitar.
  • Use roupas íntimas de algodão e troque sua roupa íntima todos os dias.
  • Beba iogurte com culturas vivas (lactobacilos) para reduzir a chance de contrair infecções fúngicas.
  • Use preservativos durante a relação sexual.
  • Sempre limpe da frente para trás ao fazer as necessidades fisilógicas, pricipalmente após defecar.

Referências

publicidade

Veja também:

data-matched-content-ui-type="image_sidebyside" data-matched-content-rows-num="3" data-matched-content-columns-num="3" data-ad-format="autorelaxed">